3 poemas de Cecília Meireles sobre o mar

1

A nossa nova coluna “Segunda de Inspiração” chega com o objetivo de dar outra cara ao começo da sua semana! Reflexão, leveza e um olhar diferenciado sobre o mundo das viagens. A segunda-feira não precisa ser chata sempre, vem descobrir isso com a gente! Hoje, 3 poemas de Cecília Meireles que falam sobre o mar <3

1| Beira Mar

Sou moradora das areias,
de altas espumas: os navios
passam pelas minhas janelas
como o sangue das minhas veias,
como os peixinhos nos rios…

Não têm velas e têm velas;
e o mar tem e não tem sereias;
e eu navego e estou parada,
vejo mundos e estou cega,
porque isto é mal de família,
ser de areia, de água, de ilha…

E até sem barco navega
quem para o mar foi fadada.
Deus te proteja, Cecília,
que tudo é mar – e mais nada.

2| Canção

Pus o meu sonho num navio
e o navio em cima do mar;
— depois, abri o mar com as mãos,
para o meu sonho naufragar.

Minhas mãos ainda estão molhadas
do azul das ondas entreabertas,
e a cor que escorre dos meus dedos
colore as areias desertas.

O vento vem vindo de longe,
a noite se curva de frio;
debaixo da água vai morrendo
meu sonho, dentro de um navio…

3| Morena, Pena de Amor

I9

Por todos os lados,
o mar me rodeia;
me deixa recados
escritos na areia.
Das águas sou filha:
nasci de um beijo de espuma
em redor de alguma
silenciosa ilha.
Maravilha, maravilha
da espuma em pedra serena:
a água nos meus olhos brilha,
da pedra é que sou morena.
Que o mar, além de integrar suas férias, também te inspire bons sentimentos, assim como inspirou Cecília!   

 

O que achou? Conta aqui pra gente :)

Compartilhe:

Sobre o autor

Hadassa Paravizo

Graduanda em Lazer e Turismo pela EACH - USP

1 Comentário

  1. Pingback: Descruza os braços | PLOT