4 cidades brasileiras que não teriam o português como idioma oficial  

0

Conheça a história das invasões estrangeiras no litoral brasileiro

Ao longo dos séculos o Brasil foi alvo de diversas invasões. Desde sua criação com a chegada dos portugueses, o país sofreu uma série de saques e ataques europeus principalmente nas cidades costeiras. Os novos invasores, em geral governantes e comissários de seus países, tinham como meta explorar os recursos naturais do novo mundo e, por vezes, ocupar determinadas áreas estratégicas, como foi o caso dos holandeses, franceses e ingleses. Esses três povos invadiram o Brasil tão frequentemente durante os séculos XVI e XVII, que quase teriam mudado a história do país disseminando consigo sua cultura e, claro, língua. A seguir, separamos 4 das principais cidades brasileiras, onde se falaria outro idioma europeu e não o português. Confira mais com professores de história e línguas na Preply.com!

Recife

O ano de 1630 ficou marcado na história como o ano com maior incidência de invasões estrangeiras bem-sucedidas no Brasil. Nesse ano os holandeses decidem invadir a costa do nordeste brasileiro. Não demorou muito para que as cidades mais ricas fossem tomadas.  A ocupação holandesa em Olinda e Recife, assim como as demais cidadelas pernambucanas no interior, se mostrou tão promissora que no ano de 1637 chega a Recife o Conde holandês Maurício de Nassau como representante dos interesses de sua nação, os Países Baixos. A intenção era que o Recife se tornasse o centro organizacional e administrativo das regiões invadidas, entre elas algumas cidades do Maranhão, Rio Grande do Norte, Paraíba e Sergipe. Logo, era de grande interesse que não só se fosse criado uma infraestrutura local para facilitar o comércio de iguarias, como também que a população local pudesse entender a língua holandesa. Esse foi, então, um período de muitas transformações. Logo, não tivesse acontecido a expulsão dos holandeses da região em 1654, após várias revoltas, como por exemplo a Batalha dos Guararapes em 1648, o Recife, assim como outras cidades litorâneas, provavelmente teria o holandês como idioma oficial.

Rio de Janeiro

O Rio de Janeiro também foi alvo da ocupação holandesa em 1599, mas quem de fato investiu esforços para ocupar a região foram os francês, fundando em 1555, sob o comando do almirante francês Nicolas Villegaignon, a chamada França Antártica na cidade. Devido às interferências portuguesas e também de algumas tribos indígenas locais, foi possível finalmente expulsar os inimigos, os quais voltariam mais de um século depois em 1710 e 1711 para mais uma vez tentar, sem sucesso, tomar a cidade. Do contrário, talvez o francês seria hoje falado por muitos cariocas ou “franceses-antárticos“.

São Luís

Anos depois de sua expulsão do litoral carioca, os franceses criaram a cidade de São Luís na costa maranhense sob as ordens do capitão da marinha francesa de La Touche, fundando o que seria chamada França Equinocial. Dalí foram, todavia, expulsos três anos após sua chegada. Entre 1630 e 1641 foi a vez dos holandeses se instalarem no Maranhão, os quais também deixaram marcas na cultura local. Dessa maneira, São Luís pode dizer que ao longo da história além de línguas indígenas, foi palco para a disseminação de, no mínimo, três idiomas europeus: português, francês e holandês.

Santos

O litoral paulista também foi objeto de desejo de tropas invasoras no período colonial português. A Inglaterra, sob a representação do corsário inglês Thomas Cavendish, invadiu a cidade de Santos e São Vicente, saqueando-a por pouco mais de dois meses em 1591. comparada as outras cidades citadas em nossa lista, a ocupação não foi longa, mas já deu para garantir o equivalente a um intercâmbio intensivo de inglês a santistas e são-vicentinos da época.

* Este é um post patrocinado.

O que achou? Conta aqui pra gente :)

Compartilhe:

Sobre o autor

Plot

Consultoria de planejamento de viagens - para saber mais sobre nossos serviços, clique aqui. Navegue pelo nosso site para acompanhar nossa Expedição pelo sudeste asiático, se inspirar com histórias e dicas de viagem e acompanhar as colunas de nossos correspondentes mundo afora.