Grüß Gott!

0

Começo hoje um pequeno desafio que me foi proposto, e foi feito por uma pessoa que eu seria incapaz de negar. O desafio consiste em tentar passar um pouco aos leitores da Plot o que é viver em Wien (Viena), a cidade que apontam ser a com maior qualidade de vida do mundo. Vamos conferir se isso é verdade?

Neste primeiro post queria explicar um pouco de quem eu sou e o meu background, portanto deixarei Viena em segundo plano por um momento. Pois bem, eu sou nascido em Recife e minha família me fez superprofissional em uma coisa: mudança e adaptação. Toda vez que me perguntam como um pernambucano foi parar ali em São Paulo, e agora em Viena, explico de uma maneira bem resumida: nasci em Recife, me mudei pro Rio, voltei pra Recife, voltei pro Rio, voltei pra Recife, me mudei pra São Paulo, morei um ano na Inglaterra, voltei pra São Paulo, morei 6 meses em Copenhague (Dinamarca), voltei pra São Paulo, me mudei pra Viena. Sim, isso é a versão resumida.

Mas de todas as mudanças, a primeira internacional é a que mais me mudou, mais me marcou e que me rendeu mais até o momento. Fui de intercâmbio high-school, e resolvi chutar o pau da barraca e ficar um ano, em vez dos tradicionais 6 meses. Voltaria ao Brasil faltando meros 3-4 meses para todos os vestibulares, e o que a minha mãe achou disso? O máximo! Não a proximidade das datas, mas a oportunidade de passar um ano na Inglaterra. Depois dessa experiência, ganhei uma namorada, um novo local favorito e um vício: liberdade. A liberdade que me fez decidir na quarta que na quinta à noite eu sairia da minha cidade (Worthing) e iria para Paris, e no final das contas o fim de semana sairia até barato. E isso porque eu morava na Inglaterra, ainda tinha que enfrentar imigração. E, como meu médico disse em meu retorno : “A liberdade é uma droga forte, uma vez tomada, jamais perderás o vício”. Dito e feito, dali a 3 anos parti para mais uma, na Dinamarca. Na terra “mais feliz do mundo”, eu fui feliz e aprendi mais um pouco. Não pude confirmar se é o mais, mas sem dúvida nenhuma o dinamarquês é muito feliz.

Hoje estou em Viena (na verdade, escrevo de Praga, meio do meu caminho de ônibus entre Viena e Berlim, comentarei mais à frente em futuros posts). Cheguei em Agosto deste ano, depois de concluída minha graduação em Administração em São Paulo (Insper). Meu objetivo inicial aqui é concluir um Mestrado em Logística na Wirtschaftsuniversitaet (WU Wien), com duração de dois anos, e depois ver o que faço.

Para não passar extremamente batido, vou falar bem rapidamente: Viena é uma das cidades mais bonitas que já vi na minha vida, em cada detalhe se mantém sua beleza tradicional com grandes toques de modernidade. No mínimo, TEM QUE fazer parte da sua visita à Europa ou do seu mochilão.

Pois bem, para os curiosos “Grüß Gott” significa literalmente “ Saudações a deus”, mas não é utilizado pensando no sentido religioso da coisa. Na realidade, é um “oi” ou um “bom dia” aqui na Áustria (e acredito que na Bavária também), mas para mim virou um símbolo austríaco! Espero que gostem desta coluna e, mais do que isso, me ajudem com ela! Aceito sugestões de temas para posts ou dúvidas sobre qualquer coisa relacionada a Áustria, a mim ou a estudar/se mudar para Europa.

Auf Wiederschaun! Até a próxima!

O que achou? Conta aqui pra gente :)

Compartilhe:

Sobre o autor

Lucas Alencar

Recifense de nascimento, mas ainda procurando qual o seu lugar no mundo. Formado em Administração, abriu mão de Trainees e outros começos mais tradicionais no mercado de trabalho para estudar em Viena e seguir o seu sonho.