Mochilando aos 60 anos

0

Dizem que mochilão é coisa de jovens que decidem pegar a estrada e desbravar o mundo, certo? Pois a minha primeira oportunidade de colocar uma mochila nas costas e sair por aí surgiu quando completei 60 anos.  E não pensei duas vezes. Embarquei e descobri que sair por aí mochilando é uma das melhores coisas da vida. Agora o difícil é me convencer a parar.

Como tudo começou…

Sabe por que fiz um mochilão e não uma viagem convencional, contratada em agências de viagem? Por duas coisas. Primeiro porque tenho medo de avião —ou seja, se é para atravessar um oceano ou um continente, quero ficar tempo o suficiente no lugar para retardar ao máximo o voo da volta. Em segundo lugar, porque não tenho grana para ficar longos períodos pagando hotéis caros, cruzeiros, idas a shoppings e shows famosos.

Então precisei encontrar alternativas: decidi viajar sozinha e sem programação fechada, dia certo para chegar, horário para acordar, correria e passeios que nem me interessam. Acabei descobrindo que o espírito de mochilar tem muito mais a ver comigo, com a possibilidade de fazer tudo no meu ritmo. Se gosto, fico; se não me agrada, sigo adiante.

A inspiração para essa mudança de vida surgiu com a minha filha, que largou emprego e partiu para conhecer a América Latina. Pensei, por que não faço isso também? Sabia que queria visitar a Europa e viajar por cerca de quatro meses. Alguns cliques no Google ajudaram a estabelecer o orçamento. Daí a comprar as passagens foi um pulo. E, quando vi, já estava lá.

Meu roteiro

Minha viagem começou na Itália, com visitas a Roma, algumas cidades da Toscana, Milão, Gênova, Sardenha, Costa Amalfitana e Cinque Terre. Depois, fiz um trecho da França, quando conheci Nice, Cannes, Marselha, Arles, Avignon, Paris, Rouen e Calais. Atravessei, então, o Canal da Mancha de barco (como faziam os Três Mosqueteiros) e entrei na Inglaterra pelo porto de Dover.

Conheci Londres e algumas pequenas cidades, mais Edimburgo e o Lago Ness, na Escócia(ainda tinha esperanças de ver o monstro). Depois, Moscou e São Petersburgo. No ano seguinte, estive no Irã, Suíça, Bélgica e Holanda. Na terceira viagem, conheci Berlim e decidi voltar à Itália. No ano passado, passei alguns meses nos Estados Unidos.

E o que aprendi?

Se eu decidisse conhecer todos esses lugares contratando pacotes de agências de viagens, provavelmente o preço seria muito superior ao que eu poderia gastar. Viajando do meu jeito, consigo economizar no preço das passagens e nos alojamentos: procuro sempre hostels, b&b (quando pessoas alugam quartos de suas casas para turistas) ou hotéis, sempre nessa ordem, levando em conta custo, localização e críticas de quem já se hospedou ali antes. Acesso à internet, portanto, é fundamental.

Para ser sincera, em nenhum momento senti que ter mais de 60 anos fosse um problema. Na Europa, pelo menos, é muito comum pessoas com essa idade viajarem sozinhas. Principalmente pela facilidade do transporte, que geralmente são confortáveis, razoavelmente pontuais e seguros.

Pena que não temos isso no Brasil. Mas isso não me impediu de também sair por aqui. Já arrastei minha mala pelas cidades históricas de Minas Gerais, conheci as praias de Salvador e do Rio de Janeiro, andei pelas ruas de Paraty e vi as cataratas de Foz do Iguaçu. O país tem diversas belezas naturais e muitas coisas para fazer —não só para os jovens, mas para pessoas de qualquer idade.

Texto cedido para publicação em nossa plafortama pela autora Iracema Genecco1

O que achou? Conta aqui pra gente :)

Compartilhe:

Sobre o autor

Plot

Consultoria de planejamento de viagens - para saber mais sobre nossos serviços, clique aqui. Navegue pelo nosso site para acompanhar nossa Expedição pelo sudeste asiático, se inspirar com histórias e dicas de viagem e acompanhar as colunas de nossos correspondentes mundo afora.