Perrengues de viagens

1

Com 18 anos, Amanda mudou pra caótica São Paulo, com 19 fez seu primeiro mochilão, a partir daí não conseguiu ficar parada em um mesmo lugar, após voltar de uma viagem já estava planejando a próxima. Hoje, vem falar sobre os perrengues de cair na estrada com pouca grana – e não são poucos!

Amanda Breslau

Amanda Breslau

Este post é sobre a arte de ir viajar com pouco dinheiro, quando (quase) sempre da tudo certo, e ter um montão de histórias engraçadas pra contar.

Tudo começa com a programação, tenho X pra gastar ao todo,  X por dia,  e se eu gastar mais ferrou tudo porque eu nunca levo cartão de crédito. Só que imprevistos sempre acontecem e no medo de ficar sem grana a gente acaba economizando em tudo que pode, trabalha em troca de hospedagem, passa a noite dentro de um ônibus sem calefação no deserto na Bolívia a  -17ºc para não pagar hospedagem, pega ônibus de 18h pra não ter que pagar mais caro no voo, pega carona até o aeroporto pra não gastar com táxi, fica em um hostel que custa 7 reais (isso mesmo 7 reais) mesmo que o banheiro seja no relento e tenha uma portinha transparente e sem  teto, dorme em uma rede e é atacada por mosquitos, pega mototáxi com uma mochila de 14 quilos nas costas, entra de fininho no hotel que seu amigo está hospedado só pra filar o almoço, lava as roupas sujas na pia do hostel pra não gastar com lavanderia, e por ai vai…

Amanda Breslau

|Amanda Breslau em perrengues de viagens| 

Mas como toda desgraça pra pobre mochileiro é pouco, e além disso tudo já fiquei trancada dentro do quarto do hostel, já fiquei mais de 10h esperando o vôo que tinha sido cancelado, paguei por um passeio que não aconteceu e sumiram com meu dinheiro (fiz um barraco, chamei a polícia e deu tudo certo), me perdi em uma trilha que estava fazendo sozinha, fiquei 3 dias de cama na Colômbia e gastei uma nota em remédios,  perdi o celular bem no começo da viagem no Chile,  passei a noite vomitando por causa da altitude no Salar do Uyuni. E conclui que tudo isso faz parte da viagem, quando você se dispõe a fazer uma viagem gastando pouco, também se dispõe a passar por experiências como essas, algumas realmente me deixaram com raiva na hora mas depois me ensinaram a crescer como pessoa, a me estressar menos com as coisas e a principalmente a dar valor a tudo oque eu tenho, me mostrou como uma simples toalha de banho limpa faz falta , rs ,(ninguém merece aquela toalha PVA), e que eu consigo e posso viver com bem menos coisas do que eu tenho, me ensinou a valorizar não só coisas materiais, mas também as pessoas, que sempre estiveram dispostas a me ajudar quando eu não achava um lugar pra dormir, quando eu pedia carona, ou até uma informação.

Viajar é isso, nos mostra que ainda existem pessoas boa no mundo e que as vezes preenchemos nosso tempo com coisas que não importam, passamos a vida buscando um bom emprego ou uma boa carreira para ter dinheiro ou reconhecimento, mas de que adianta se não temos tempo para gastar todo esse dinheiro?Ninguém precisa ser rico pra viajar, e também conseguimos viver com bem menos do que realmente achamos que precisamos, não to falando que todo mundo tem que sair por ai viajando e não trabalhar nunca mais , virar hippie etc , só que o tempo é o bem mais precioso que temos, que possamos usa-lo com aquilo que realmente nos faz felizes! (aquela filosofada no final de quem ta com insônia).

Esse texto foi publicado originalmente aqui , e escrito por Amanda Breslau que autorizou a veiculação do conteúdo em nossa plataforma!  

 

Já passou por perrengues também? Conta pra gente!

O que achou? Conta aqui pra gente :)

Compartilhe:

Sobre o autor

Plot

Consultoria de planejamento de viagens - para saber mais sobre nossos serviços, clique aqui. Navegue pelo nosso site para acompanhar nossa Expedição pelo sudeste asiático, se inspirar com histórias e dicas de viagem e acompanhar as colunas de nossos correspondentes mundo afora.

1 Comentário

  1. Pingback: Só um relato de quem vai só | PLOT