QUEM SOMOS

Somos o Rapha e a Manu, e foi da nossa paixão por viagens, da nossa crença de que é possível apostar em um modelo de vida e trabalho diferentes do tradicional (construída com a valiosa ajuda de tantos viajantes que compartilham suas aventuras por aí) e da nossa vontade de proporcionar a outras pessoas a oportunidade de viver histórias incríveis, que nasceu Plot: uma consultoria de planejamento de viagem para ajudar a planejar viagens e montar roteiros de viagem e, também, um espaço pra unir histórias de viagens que inspirem, divirtam, emocionem e, principalmente, façam você querer começar logo seu próximo planejamento de viagem.

A gente se conheceu em 2008, quando estagiávamos no Banco Itaú, em São Paulo, na área de marketing. Mas casal mesmo a gente só foi virar um tempão depois, em 2013. Nesses quase 6 anos que se passaram desde o primeiro encontro, o Rapha fez intercâmbio em Londres, mochilou pela Europa, conheceu o Panamá, a Costa Rica, o Jalapão, e tantos outros lugares fascinantes. A Manu fez intercâmbio em Paris e Hamburgo, conheceu Tenerife, Israel, Marrocos, Tailândia, e, também, muitos outros. Nos intervalos disso tudo, quando a gente estava no Brasil, saíamos juntos vez ou outra para dividir cervejas, bons papos e as histórias das nossas viagens.

O que não imaginávamos, depois de tantos encontros, é que em um desses não íamos mais desgrudar um do outro!

Quando começamos a planejar as primeiras férias como casal, decidimos ir para a Tailândia. Mas a nossa vontade era de conhecer muito mais do que conseguiríamos encaixar em 30 dias, então logo essas férias viraram um período sabático de 3 meses. E aí, se íamos pedir demissão pra passar 3 meses viajando, por que não ficar pelo menos um ano?

Já tínhamos entrado em contato com a ideia de nômades digitais e, por isso, imediatamente começamos a pensar em como poderíamos viabilizar financeiramente essa “vida sabática” – um nome ao mesmo tempo mentiroso e cheio de verdade. Começamos então um regime intenso de planejamento financeiro, pra que conseguíssemos começar nossa viagem e, ao mesmo tempo, investir em um negócio que pudesse sustentar nossas vidas no médio e longo prazo.

Não demorou até termos a ideia da consultoria de viagens. Desde muito antes de começarmos a namorar, cada um na sua vida, somos apaixonados por viagens, pelas histórias que as viagens proporcionam, por conhecer novas pessoas e culturas, novas línguas, novos pensamentos. Cada um em sua turma, sempre nos engajamos nos planejamentos e organizações das viagens e, por isso, chegamos à conclusão de que poderíamos abrir a consultoria para ajudar as pessoas a conhecer esse mundão do jeito que sempre conhecemos: de forma planejada, segura e customizada, que leve em conta o estilo / gostos / sonhos do viajante e também, claro, o orçamento disponível.

E aqui buscamos criar um espaço de inspiração e troca, onde vamos contar pra vocês sobre a nossa passagem pelo sudeste asiáticohistórias sobre viagens (nossas e de colaboradores), colunas sobre outras expedições, além de conversar com vocês sobre tudo isso e trocar figurinhas. Esse será também o canal para termos contato com quem quiser contratar nossa consultoria para escolher destinos e definir roteiros.

Esperamos que gostem! :)


manu

rapha

Manu Pontual
Sou formada em Publicidade pela ESPM, e já estagiei no marketing do Banco Itaú, trabalhei na Giovanni+DraftFCB e na Taterka – atendendo a clientes como IG, HP, Nivea e Natura. Em 2012-2013, passei um tempo estudando francês na Sorbonne em Paris e, em seguida, fiz o Bootcamp de planejamento da Miami Ad School, em Hamburgo. Nesse período fora, fiz diversas viagens e conheci lugares que achava que ia demorar muito pra conhecer.

Quando voltei para o Brasil, no segundo semestre de 2013, passei por uma barra pesada. Eu queria muito um emprego (e precisava!), mas não conseguia ir bem em nenhuma entrevista. Eu não conseguia me empolgar com a ideia de ficar 8h por dia num escritório para fazer algo que eu sabia que poderia fazer de qualquer lugar. Nesse período, consegui alguns freelas que seguraram a barra, mas estava arrasada – nunca tinha ido mal numa entrevista antes, quanto mais em tantas! Foi aí que comecei a namorar o Rapha. Então, quando ele sugeriu que a gente pedisse demissão no ano seguinte para passar 1 ano no sudoeste asiático, eu topei na hora – mas com uma condição: eu não poderia me ausentar do mercado de trabalho por mais um ano, e esperar voltar achando que tudo bem. Se eu saísse de novo, teria que ser pra valer. Ele sequer titubeou.

Em 2014, trabalhei um pouco numa produtora digital, a DLKTSN, e em seguida fui chamada para voltar para a Taterka para cobrir uma licença maternidade em um freela de 6 meses. Como eu já sabia que ia viajar, foi a proposta ideal para o momento.

O nomadismo, pra mim, veio da educação. Graças ao desapego que meus pais sempre praticaram, me mudo desde os meus 8 anos de idade. Nasci em Recife, fui morar no Rio, depois voltei para Recife, para o Rio de novo, Recife mais uma vez, São Paulo, Winnipeg (Canadá), São Paulo, Paris (França), Hamburgo (Alemanha), São Paulo. Agora, o mundo pode virar a minha casa, que tá tranquilo!

Raphael Rotta
Sou RP, formado pela Cásper Líbero, mas minha verdadeira especialização é em CRM e marketing direto, graças aos quatro anos que passei no planejamento de uma grande agência desse segmento, que valeram por uma nova faculdade. Mas, antes disso, trabalhei com assessoria de imprensa, agência de endomarketing e até marketing de banco – que foi quando, pela primeira vez, resolvi apostar em uma aventura: largar o estágio que em tese me prometia uma carreira, pra passar um tempo pela Europa, começando com sete meses em Londres e finalizando com um mochilão de três meses por vários países e cidades.

O que eu não sabia é que, com essa experiência, eu não ia mais parar de viajar. De lá pra cá, fiz um mochilão por alguns países da América do Sul, em que fiz tatuagem na Bolívia, andei de bike na estrada da morte, conheci Macchu Picchu e o Atacama, dentre outras coisas incríveis; depois, chegou a vez de explorar um pouquinho da América Central, pra me surpreender com o Panamá, superar minhas expectativas com a Jamaica e me divertir muito na Costa Rica. Isso sem contar, tantos lugares do Brasil, que tive a sorte de poder conhecer também.

E ai, com o tempo, começaram os questionamentos: será que o esquema de trabalhar 11 meses para viajar 1 é minha única opção? Será que eu realmente preciso estar no escritório todos os dias, por várias horas, não importa o volume de trabalho? Aliás, será que eu preciso ir pro escritório? De lá da minha cadeira, embaixo do ar condicionado, não conseguiria descobrir, então, por que não arriscar? Dei essa ideia para a Manu, que tinha reaparecido na minha vida um tempinho antes, e praticamente na mesma hora deixamos de lado o planejamento das férias de 1 mês na Tailândia, pra pensar na experiência de um ano tentando responder essas e outras questões que vão surgir no meio do caminho.

* Além da Plot, somos sócios do Coletivo Casa92, onde juntamos alguns freelas e formamos uma agência de comunicação para pequenos clientes.